Sábado, 22 de Setembro de 2007

REGIONALIZAÇÃO: AS 5 "NEFELOCUCOLÂNDIAS"

Viajar rumo à Regionalização em  Portugal é co-
mo acontece na Comédia"AS AVES" de Aristófa-
nes, "percorrer longos, difíceis e incompreensí-
veis veredas de que só mesmo as aves conhecem
os roteiros".

Aristófanes apresentou esta Comédia no festival
das Dionísias de 414 a.c.  quando se  viviam  mo-
mentos decisivos da Guerra  do  Peloponeso  en-
tre a Atenas  Democrática  empenhada  na  hege-

monia do mundo Helénico e a Esparta Oligárqui-
ca na defesa do fraccionamento da Grécia  em  ci-
dades/estados autónomos.Coincide também com
uma fase em que um decreto"proibia  a invectiva
pessoal  desassombrada à   maneira  corrente  da
comédia antiga",grassavam os  processos  judici-
ais, decretos e a intriga de  abate  pessoal  que no
ano anterior atingira Alcibíades que se  viu  obri-
gado  a  abandonar  o comando da expedição à Si-
cília e fugir.

Aristófanes imaginou uma cidade,"em muitos as-
pectos a réplica caricatural de Atenas",cujas per-
sonagens principais,fazendo-se conduzir um,por
uma  Gralha  (PISTETERO)  outro,  por  um  Gaio
(EVÉLPIDES),  decidem  abandonar  Atenas para 
criar uma cidade intermédia,algures entre o céu
e a terra-uma cidade alada.Para o conseguir bus- 
cam o apoio de toda a passarada.

Quando no reino alado, batem à  porta: são aten-
didos por um pássaro-escravo, sinal de que uma
hierarquia existia também dentro do...arbustro,
tal como entre os mortais.Os heróis da peça cor-
rem atrás de  um  paraíso de delícias, de uma ci-

dade "feita  de  boa  lã, onde se possam estender
como sobre uma manta bem fofinha".

Chega o momento de dar o nome à cidade:
"PISTETERO: Primeiro que tudo dar um nome à
cidade, que seja grande e ilustre; e a seguir fazer
sacrifícios aos deuses.
CORO: Ora vejamos, que nome se há-de dar à ci-
dade?
EVÉLPIDES: Pode-se arranjar, inspirado nas nu-
vens e no espaço celeste, um nome bem pomposo

PISTETERO: NEFELOCUCOLÂNDIA! Que tal?
(145)
"(nota 145)O nome da nova cidade agrupa efectivamente a palavra nuvem e
o   nome  de  uma  ave,  o  cuco,  que,  para  além  de  símbolo   das    aves
habitantes do território, as  identifica  como  seres obtusos, tolos, de  que  o

cuco é a representação. (...) Assim a cidade das aves alicerça-se na  incon-

sistência das nuvens e na estupidez dos cucos. (...) O  domínio  das  várias

componentes negativas das comunidades atenienses irá permitir  a  supe-

rintendência da nova cidade"

Os próprios deuses do Olimpo se rendem à nova
ordem dos alados para satisfazerem a  sua  gula.
As injustiças e oportunismos de Atenas de  onde 
se evadiram foram aqui adaptados,  onde  novos
deuses assumiram o poder


Agora que chego ao fim,fico a magicar se o Deli-
cioso Aristófanes que há  2.400  anos  se referia 
aos "deuses, se é que eles existem"  os  estaria a
imaginar às bicadas por painço da nossa Regio-
nalização de cinco Nefelocucolândias.

(Todas as citações são retiradas de
"As Aves" de Aristófanes, Edições 70,.
tradução de Maria de Fátima S. Silva,
bem como da Introdução)
publicado por camaradita às 23:49
link do post | comentar | favorito
| partilhar

"Antre mim mesmo e mim / Nam sei que s'alevantou / Que tam meu imigo sou" (Bern. Ribeiro)

Setembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Reavivar a memória para c...

Pôr este sacana na rua é ...

Aníbal Cavaco Silva é o m...

Regionalização - II: "A L...

Regionalização - I: "A LU...

arquivos

tags

todas as tags

online

pesquisar